Algodão tomba em NY com fracas exportações, melhora no clima e perdas nos grãos

119

     Porto Alegre, 13 de maio de 2021 – A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o algodão fechou com preços mais baixos nesta quinta-feira.

     Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, as cotações caíram bastante diante das fracas exportações semanais americanas, combinadas com o clima melhor para as lavouras dos Estados Unidos e ainda com a queda nos grãos na Bolsa de Chicago.

     As vendas líquidas norte-americanas de algodão (upland), referentes à temporada 2020/21, iniciada em 1o de agosto, ficaram em 54.400 fardos na semana encerrada em 6 de maio. Representa um recuo de 15% frente à semana anterior e de 41% na comparação com a médias das últimas quatro semanas. O maior importador foi a Vietnã, com 26.200 fardos. Para a temporada 2021/22, foram mais 72.100 toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

     Os grãos caíram com notícias que indicam que o tráfego de navios e barcaças no Rio Mississippi está sendo bloqueado pela guarda costeira norte-americana devido a um problema estrutural em uma ponte que passa sobre o rio. “O bloqueio traz problemas para o escoamento dos grãos produzidos no cinturão produtor norte-americano”, explica o analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque.

     Bento diz que para o algodão isso não teve influência direta, “porque ao contrário dos grãos que descem muito pelo rio até o porto, o algodão tem outros meios de escoamento. Mas, o tombo em Chicago acaba refletindo em NY”, comenta Élcio Bento.

     Os contratos com entrega em julho/2021 fecharam no dia a 84,98 centavos de dólar por libra-peso, queda de 3,25 centavos, ou de 3,7%. Dezembro/2021 fechou a 83,30 centavos, com desvalorização de 2,37 centavos, ou de 2,8%.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA