Chicago renova máxima de seis anos após corte de oferta de trigo pelo USDA

513

Porto Alegre 12 de janeiro de 2021 – A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais altos. O mercado foi impulsionado pelo indicativo de menor oferta do grão nos Estados Unidos e no mundo. O Departamento de Agricultura norte-americano, o USDA, divulgou, mais cedo, seu relatório mensal de oferta e demanda.

O mercado rompeu as máximas recentes e chegou ao maior nível desde 18 de dezembro de 2014. Numa base contínua, a variação do contrato março (4,76%) foi a maior alta diária desde 30 de setembro do ano passado, quando o contrato mais negociado subiu 5,19%.

O documento indicou corte dos estoques estadunidenses e globais em 2020/21 maiores que o esperado pelo mercado. Além disso, a safra global na temporada também teve sua projeção rebaixada. Em relatório separado, o USDA indicou os estoques trimestrais dos EUA em 1o de dezembro de 2020 abaixo do previsto por analistas. A Agência SAFRAS publicou em seu noticiário as principais informações do relatório, que provocaram esse movimento acentuado.

No fechamento de hoje, os contratos com entrega em março de 2021 eram cotados a US$ 6,65 por bushel, ganho de 30,25 centavos de dólar, ou 4,76%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em maio de 2021 eram negociados a US$ 6,65 3/4, alta de 29,00 centavos de dólar, ou 4,55%, em relação ao fechamento anterior.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA