Chicago segue em baixa e deve travar negócios com soja no Brasil

95

     Porto Alegre, 17 de junho de 2021 – A perspectiva é de mais um dia travado em termos de comercialização envolvendo a soja no mercado brasileiro, diante da sétima queda seguida nos contratos futuros em Chicago. O dólar reage, mas o movimento é insuficiente para trazer o vendedor ao mercado. A diferença é cada vez maior entre as bases de compra e venda. Os preços tendem a cair ainda mais, mesmo que nominalmente.

     Os preços caíram forte na quarta-feira nas principais praças do país, diante do comportamento desfavorável dos principais formadores das cotações. Chicago caiu pela sexta vez seguida e busca a casa de US$ 14 por bushel. O dólar chegou a operar abaixo de R$ 5,00.

     Com esse quadro, os produtores saíram do mercado e apenas pequenos lotes trocaram de mãos. Foi negociado apenas o suficiente pelos vendedores mais necessitados. As bases estão muito distantes. Em alguns casos, a pedida está R$ 7,00 acima da oferta do comprador.

     Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos baixou de R$ 161,00 para R$ 157,00. Na região das Missões, a cotação caiu de R$ 160,00 para R$ 156,00. No porto de Rio Grande, o preço recuou de R$ 165,00 para R$ 161,50.

     Em Cascavel, no Paraná, o preço despencou de R$ 161,00 para R$ 154,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca caiu de R$ 165,00 para R$ 160,00.

     Em Rondonópolis (MT), a saca baixou de R$ 155,00 para R$ 150,00. Em Dourados (MS), a cotação passou de R$ 150,00 para R$ 146,00. Em Rio Verde (GO), a saca caiu de R$ 155,00 para R$ 153,00.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em julho registram baixa de 1,58%, cotados a US$ 14,25 por bushel.

* O mercado cai pela sétima sessão seguida, pressionado pela previsão de temperatura amena e clima úmido em partes do cinturão produtor norte-americano.

* Os agentes seguem preocupados com a possibilidade dos Estados Unidos autorizarem a redução na utilização de biodiesel no diesel.

* Logo mais, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulga as vendas líquidas semanais. O mercado aposta em número entre zero e 400 mil toneladas.

PREMIOS

* O prêmio em Paranaguá para julho ficou em +15 e +30 sobre Chicago. Para

agosto, o prêmio é de +58 a +65.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra alta de 0,19% a R$ 5,069. O Dollar Index registra ganho de 0,71% a 91,78 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai, +0,21%. Tóquio, -0,93%.

* As principais bolsas na Europa registram índices mistos. Paris, +0,11%. Londres, -0,48%

* O petróleo opera em baixa. Julho do WTI em NY: US$ 71,99 o barril (-0,22%).

AGENDA

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (18/06)

– Japão: O índice de preços ao consumidor de maio será publicado na noite anterior pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– Japão: A decisão de política monetária será publicada na madrugada pelo Banco do Japão.

– Alemanha:  O índice de preços ao produtor de maio será publicado às 3h pelo Destatis.

– Atualização da evolução das lavouras argentinas – Ministério da Agricultura, na parte da manhã.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA