Chuvas no Meio Oeste pressionam soja em Chicago na véspera do USDA

82

     Porto Alegre, 9 de junho de 2021 – Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mais baixos. Na véspera do relatório de junho do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a volta das chuvas ao Meio Oeste americano, sugerindo melhora nas condições das lavouras, pressionou o mercado.

     Os agentes buscaram posicionar suas carteiras frente aos dados do USDA. O Departamento deve elevar a sua estimativa para a safra de soja dos Estados Unidos em 2021/22. O relatório de junho será divulgado nesta quinta, 10, às 13hs.

     Analistas consultados pelas agências internacionais apostam em produção de 4,414 bilhões de bushels em 2021/22. Em maio, a previsão ficou em 4,405 bilhões de bushels. No ano passado, a produção foi de 4,135 bilhões.

      Para os estoques, o mercado aposta estimativa de 139 milhões. Em maio, o USDA indicou estoques em 140 milhões de bushels. A previsão para 2020/21 deverá passar de 120 milhões para 122 milhões de bushels.

     Em relação ao quadro de oferta e demanda mundial da soja, o mercado aposta em estoques finais 2021/22 de 91,6 milhões de toneladas, contra 91,1 milhões estimados em maio. Para 2020/21, a previsão deverá passar de 86,6 milhões para 86,7 milhões de toneladas.

     A produção brasileira de soja em 2020/21 deverá ter sua estimativa elevada de 136 milhões para 136,2 milhões de toneladas. A safra argentina pode ter corte, passando de 47 milhões para 46,5 milhões de toneladas.

     Sinais de demanda se deslocando dos Estados Unidos para a América do Sul, realização de lucros em meio a fatores técnicos e o desempenho de outros mercados ajudaram a pressionar as cotações. Além do relatório mensal do USDA, os agentes vão analisar ainda os embarques semanais americanos. O mercado aposta em número entre 100 mil e 400 mil toneladas.

     Os contratos da soja em grão com entrega em julho fecharam com baixa de 17,50 centavos de dólar por libra-peso ou 1,10% a US$ 15,62 1/2 por bushel. A posição agosto teve cotação de US$ 15,23 por bushel, com perda de 16,50 centavos ou 1,07%.

     Nos subprodutos, a posição julho do farelo recuou US$ 3,40 ou 0,87% a US$ 386,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 71,59 centavos de dólar, perda de 0,49 centavo ou 0,67%.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA