Consumo segue aquecido no Brasil e sustenta preços do frango

92

     Porto Alegre, 9 de abril de 2021 – O mercado brasileiro de carne de frango registrou preços firmes ao longo da semana. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere uma reação nas cotações no curto prazo, em linha com a melhor reposição entre o atacado e o varejo durante a primeira quinzena do mês. “Os custos de nutrição ainda são um elemento importante, exercendo pressão sobre as margens da atividade”, ressalta.

     Iglesias comenta que o atacado registrou alta de preços durante a semana e há otimismo em relação ao consumo durante a primeira quinzena do mês. “Há um somatório de fatores favoráveis, como a tradicional entrada dos salários na economia, que por si só costuma motivar a reposição entre atacado e varejo. Além disso, a nova rodada do auxílio emergencial será um elemento importante para fomentar o consumo de base”, sinaliza.

     Conforme o analista, a carne de frango ainda conta com a predileção do brasileiro médio em um momento de dificuldades macroeconômicas.

     De acordo com levantamento semanal de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango. No atacado, o preço do quilo do peito seguiu em R$ 6,50, o quilo da coxa subiu de R$ 5,80 para R$ 6,00 e o quilo da asa de R$ 8,50 para R$ 8,55. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 6,70, o quilo da coxa avançou de R$ 6,00 para R$ 6,10 e o quilo da asa de R$ 8,70 para R$ 8,75.

     Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações dos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito seguiu em R$ 6,60, o quilo da coxa mudou de R$ 5,90 para R$ 6,10 e o quilo da asa de R$ 8,60 para R$ 8,65. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 6,80, o quilo da coxa passou de R$ 6,10 para R$ 6,20 e o quilo da asa de R$ 8,80 para R$ 8,85.

     O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 4,60. Em São Paulo o quilo vivo continuou em R$ 4,60.

     Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço prosseguiu em R$ 4,80. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo continuou em R$ 4,30.

     No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,50. Em Goiás o quilo vivo se manteve em R$ 4,50. No Distrito Federal o quilo vivo continuou em R$ 4,60.

     Em Pernambuco, o quilo vivo prosseguiu em R$ 5,30. No Ceará a cotação do quilo continuou em R$ 5,30 e, no Pará, o quilo vivo permaneceu em R$ 5,50.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA