Cotações internacionais do açúcar voltam a cair em novembro com clima favorável nas origens

171

  Porto Alegre, 03 de dezembro de 2021 – Os preços internacionais do açúcar caíram em novembro, estendendo as perdas de outubro. Os contratos com entrega em março de 2022 do açúcar bruto negociados na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam a sessão do dia 30 de novembro a 18,60 centavos de dólar por libra-peso, ante 19,27 centavos em 30 de setembro, queda de 3,5%.

  As cotações caíram com condições climáticas favoráveis em importantes origens, notadamente no Brasil, Índia e Tailândia – exatamente os três maiores produtores e exportadores mundiais de açúcar – que impulsionarão a produtividade agrícola e a qualidade industrial dos canaviais.

     A produção de açúcar da Índia na safra 2021/22 (de 01 de outubro de 2021 até 30 de novembro de 2021) totalizou 4,72 milhões de toneladas, contra 4,30 milhão de toneladas no mesmo período da temporada 2020/21, elevação de 9,7%, conforme comunicado de imprensa divulgado pela Associação das Usinas de Açúcar da Índia (ISMA, na sigla em inglês).

     A ISMA destacou que, até 30 de novembro, 416 usinas já estavam ativas moendo cana, contra 409 no mesmo período do ano passado. Como algumas unidades do oeste do país iniciaram a safra mais cedo neste ano, particularmente no estado de Maharashtra, os números de produção cresceram, disse a entidade. Ao mesmo tempo, a disponibilidade cana para moagem aumentou.

    A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou em novembro os resultados do terceiro levantamento da safra de Cana-de-Açúcar 2021/22. Na região Centro-Sul, a moagem da cana deverá atingir 520,882 milhões de toneladas em 2021/22, queda de 13,6% na comparação com 2020/21 (602,590 milhões de toneladas. Para o Norte-Nordeste, a produção de cana esperada é de 47,547 milhões de toneladas, recuo de 8,5% contra as 51,937 milhões de toneladas colhidas no ano passado.

    Conforme a Conab, a terceira estimativa, da safra 2021/22 considerou os efeitos climáticos adversos da estiagem durante o ciclo produtivo das lavouras e as baixas temperaturas registradas em junho e julho deste ano, inclusive com episódios de geadas em algumas áreas de produção, sobretudo em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná.

    Para 2022, ainda não há estimativa por parte da Conab. No entanto, a consultoria SAFRAS & Mercado indica que irá elevar sua projeção para a safra de cana do Centro-Sul, inicialmente estimada em 520 milhões de toneladas, para 540 a 560 milhões de toneladas, levando em conta os prognósticos de boas chuvas durante o primeiro trimestre de 2022 nos principais estados produtores.

      Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

 Copyright 2021 – Grupo CMA