Crise institucional, feriados, greve e USDA prejudicam negócios com soja no Brasil

124

     Porto Alegre, 10 de setembro de 2021 O início de setembro tem sido marcado por incertezas no mercado brasileiro de soja. Apesar dos feriados de segunda nos Estados Unidos e da terça no Brasil, a semana foi de fortes oscilações nos preços, mas de poucos negócios. A incerteza política e econômica, a paralisação dos caminhoneiros e o relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) trouxeram dúvidas aos negócios.

     Após as manifestações do presidente Jair Bolsonaro na terça, a quarta foi de limite na crise institucional, se refletindo em queda das ações nas bolsas de valores e alta do dólar. Além disso, caminhoneiros fizeram bloqueios em vários estados, colocando os mercados agropecuários em sinal de alerta.

     Na quarta, o dólar comercial subiu quase 3% e instituiu novos patamares aos preços domésticos da soja, ainda que nominais, pois a comercialização seguiu cautelosa. Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 164,00 para R$ 171,00 na semana. Em Cascavel (PR), o preço pulou de R$ 166,50 para R$ 171,50. Em Rondonópolis (MT), a cotação avançou de R$ 164,00 para R$ 169,00.

     Os preços também subiram no mercado FOB, com a saca de 60 quilos aumentando de R$ 170,00 para R$ 176,00 no Porto de Paranaguá. Com a lentidão nos negócios internos e com a dificuldade nas exportações dos Estados Unidos, após os estragos causados pelo furacão Ida, os prêmios seguiram firmes no Brasil.

     No foco do mercado na semana esteve o fator câmbio. A moeda americana abriu a semana a R$ 5,185 e fechou a quinta a R$ 5,227, mas na quarta bateu em R$ 5,325. A moeda americana vai encerrando a semana mais calma, após a nota apaziguadora divulgada no final da quinta pelo presidente.

     Em Chicago, a semana foi de perdas e de expectativa para os números a serem divulgados pelo USDA. Pesaram sobre os contratos futuros as dificuldades logísticas, o clima favorável às lavouras e o sentimento de elevação nas estimativas de safra e estoques dos Estados Unidos. A posição novembro recuou de US$ 12,92 para US$ 12,70 1/2 entre o fechamento do dia 3 até o encerramento de ontem. A desvalorização é de 1,66%.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA