Custos de produção pressionaram margem do setor avícola em março

25

     Porto Alegre, 1 de abril de 2021 – O mês de março foi bastante complicado para a avicultura de corte brasileira. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, apesar do movimento de alta no frango vivo, os custos de nutrição animal exerceram grande pressão sobre a margem de lucratividade da atividade. “Apenas o controle mais efetivo da oferta de frango será capaz de mitigar os efeitos da restrição de milho”, alerta.

     No atacado, os preços do frango também apresentaram queda na segunda metade do mês, em um período de reposição mais lenta. “No entanto, neste segmento o cenário é de maior otimismo, uma vez que a predileção do consumidor médio tende a recair sobre produtos mais acessíveis, caso da carne de frango”, pontua.

     De acordo com levantamento mensal de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram retração para os cortes congelados de frango entre o fechamento de fevereiro e o encerramento de março. No atacado, o preço do quilo do peito baixou de R$ 6,90 para R$ 6,60, o quilo da coxa de R$ 6,20 para R$ 5,80 e o quilo da asa de R$ 10,00 para R$ 9,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito retrocedeu de R$ 7,10 para R$ 6,80, o quilo da coxa de R$ 6,30 para R$ 6,00 e o quilo da asa de R$ 10,30 para R$ 9,20.

     Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de desvalorização dos preços durante o mês. No atacado, o preço do quilo do peito passou de R$ 7,00 para R$ 6,70, o quilo da coxa de R$ 6,30 para R$ 5,90 e o quilo da asa de R$ 10,10 para R$ 9,20. Na distribuição, o preço do quilo do peito caiu de R$ 7,20 para R$ 6,90, o quilo da coxa de R$ 6,40 para R$ 6,10 e o quilo da asa de R$ 10,30 para R$ 9,40.

     O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo avançou de R$ 4,25 para R$ 4,30. Em São Paulo o quilo vivo subiu de R$ 4,30 para R$ 4,50.

     Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço na integração mudou de R$ 4,60 para R$ 4,80. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,20 para R$ 4,30.

     No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,30. Em Goiás o quilo vivo aumentou de R$ 4,25 para R$ 4,30. No Distrito Federal o quilo vivo subiu de R$ 4,25 para R$ 4,30.

     Em Pernambuco, o quilo vivo mudou de R$ 5,20 para R$ 5,30. No Ceará a cotação do quilo passou de R$ 5,20 para R$ 5,30 e, no Pará, o quilo vivo avançou de R$ 5,40 para R$ 5,50.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA