Fase de preços altos na Eurozona está durando mais que o previsto – Ata BCE

117

     Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 – Os membros do Banco Central Europeu (BCE) reconheceram que os gargalos na oferta e a taxa de inflação alta estão durando mais tempo do que o previsto incialmente, ao mesmo tempo em que afirmaram ser importante evitar uma reação exagerada, de acordo com a ata reunião realizada nos dias 27 e 28 de outubro.

     “Os membros concordaram que as pressões sobre os preços eram mais persistentes do que o previsto nas projeções de setembro dos especialistas do BCE”, diz a ata. Da mesma forma, eles reconheceram que os gargalos no fornecimento estão durando mais tempo do que o estimado.

     Para os membros, é provável que, nas projeções de dezembro de 2021 do BCE, as perspectivas de inflação no curto prazo na zona do euro fossem revisadas para cima. “A perspectiva de inflação de médio prazo permanece cercada por elevada incerteza”, diz o documento.

     “Embora um aumento nos riscos de alta para a inflação deva ser reconhecido, foi considerado importante para o Conselho do BCE evitar uma reação exagerada, bem como uma inação injustificada, e manter opcionalidade suficiente na calibração de suas medidas de política monetária para abordar todos os cenários de inflação que poderiam desdobrar”.

     Segundo os membros, a orientação acomodatícia da política monetária deve ser reconfirmada, e a política monetária deve ser paciente à luz da elevada incerteza. “Não houve mudanças fundamentais nas causas do ambiente de baixo crescimento e baixa inflação prevalecente antes da pandemia”, disseram eles.

     Porém, ao avaliarem as condições de financiamento e perspectivas de inflação, os membros concordaram em reduzir o rimo das compras de ativos sob o programa de emergência, e no que diz respeito à próxima reunião, as compras podem terminar em março de 2022.

     Ainda segundo a ata, as decisões de política monetária deviam ser baseadas em dados, e “os dados disponíveis em dezembro não resolveriam todas as incertezas em torno das perspectivas de inflação a médio prazo”.

     Além disso, os membros discutiram a noção de estagflação em relação aos riscos para as perspectivas econômicas, advertido que movimentos temporários nos preços e na produção em diferentes direções não deveriam ser rotulados como estagflação. Com informações da Agência CMA.

     Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo