Fevereiro tem baixa liquidez do trigo no Brasil e foco no mercado externo

98

Porto Alegre, 26 de fevereiro de 2021 – O mercado brasileiro de trigo mantém o cenário de baixa liquidez neste período de entressafra. Com a menor oferta, e a alta do dólar, os preços tendem a seguir elevados. Além disso, a colheita das safras de verão encarece o preço dos fretes de grãos em geral, dificultando a entrega dos produtos negociados.

A indústria brasileira do trigo tem, de maneira geral, estoques suficientes para durar até o mês de abril. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, isso indica que o mercado deve seguir com pouca movimentação nas próximas semanas. Os agentes seguem atentos à volatilidade internacional, mesmo que a baixa oferta interna limite maiores variações de preços.

Conforme Pinheiro, para o mês de março, é possível que a indústria tenha que voltar ao mercado, buscando negócios pontuais e mais atrativos aos compradores, a fim de reabastecer seus armazéns. “Com o câmbio atualmente por volta de R$ 5,45 os custos de aquisição do trigo no mercado externo ficam mais elevados, abrindo espaços para reajustes do trigo nacional”, disse.

As principais movimentações do mercado de trigo estão no ambiente internacional. De acordo com o analista os agentes estão atentos à possibilidade de intervenção do governo da Argentina sobre as exportações do país. A interferência serviria como forma de assegurar o abastecimento interno e tentar minimizar a inflação sobre os alimentos. Ainda assim, os principais efeitos devem ser sentidos apenas na próxima safra, com menor estímulo ao cultivo do grão, levando a uma menor área e menor produção. Uma eventual restrição imediata das vendas argentinas afetaria a disponibilidade do trigo para o Brasil.

CIG

O Conselho Internacional de Grãos (CIG) indicou projeção para a safra global de grãos em 2020/21 em 2,216 bilhões de toneladas. No mês passado, a produção para a próxima temporada foi estimada em 2,21 bilhões de toneladas. A safra 2019/20 teve sua estimativa cortada de 2,186 para 2,185 bilhões de toneladas. Conforme o CIG, a produção de trigo é estimada em 773 milhões de toneladas, contra 768 milhões em janeiro. Para a temporada anterior, o Conselho cortou sua projeção de 764 para 762 milhões entre os relatórios de janeiro e fevereiro.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA