Melhora da oferta deve manter mercado de milho pressionado no Brasil

110

     Porto Alegre, 25 de maio de 2021 – O mercado brasileiro de milho deve registrar cotações pressionadas nesta terça-feira, diante da melhora gradativa da oferta nos estados e do movimento de baixa na Bolsa de Mercadorias de Chicago.

     Ontem (24), o mercado brasileiro de milho registrou preços mais baixos. As cotações recuaram diante da melhora na oferta no Brasil. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, o volume de milho ofertado vem aumentando de maneira gradativa no mercado brasileiro desde meados de maio. “Essa configuração permitiu a inversão da curva de preços. Nesse ambiente, muitos consumidores passaram a atuar de maneira mais tímida no mercado, indicando para um posicionamento mais confortável de seus estoques”, comenta.

     No Porto de Santos, o preço ficou na faixa de R$ 84,00 a R$ 94,00 a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 83,50/93,50.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 93,00/95,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 97,50/98,50 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 98,00/100,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 100,00/102,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 92,00/95,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 90,00/R$ 93,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 83,00/86,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos com entrega em julho de 2021 operam com perda de 4,75 centavos em relação ao fechamento anterior, ou 0,72%, cotada a US$ 6,52 1/2 por bushel.

O mercado é pressionado pela melhora do clima nos Estados Unidos e pelo bom andamento das atividades de plantio do cereal no país.

     O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução do plantio das lavouras de milho. Até 23 de maio, a área plantada estava estimada em 90%. O mercado esperava 91%. Em igual período do ano passado, o número era de 87%. Na semana passada, os trabalhos cobriam 80% da área. A média para os últimos cinco anos é de 80%.

* Ontem (24), os contratos de milho com entrega em julho/21 fecharam a US$ 6,57 1/4, baixa de 2,25 centavos de dólar, ou 0,34%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra baixa de 0,41% a R$ 5,3030. O Dollar Index registra perda de 0,16% a 89,70 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram em alta. Xangai, +2,40%. Tóquio, +0,67%.

* As principais bolsas na Europa registram ganhos. Paris, +0,10%. Londres, -0,07%.

* O petróleo opera em queda. Julho do WTI em NY: US$ 66,00 o barril (-0,07%).

AGENDA

– Dados sobre as lavouras do Paraná – Deral, na parte da manhã.

—–Quarta-feira (26/05)

– A posição dos estoques de petróleo dos EUA até sexta-feira da semana passada será publicada às 11h30min pelo Departamento de Energia (DoE).

—–Quinta-feira (27/05)

– Nova estimativa para a safra mundial de grãos – CIG, na parte da manhã.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– EUA: A segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2020 será publicada às 9h30 pelo Departamento do Comércio.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (28/05)

– IGP-M de maio – FGV, 8hs.

– Japão: A taxa de desemprego de abril será publicada na noite anterior pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA