Mercado de milho deve seguir com preços firmes e retraído

100

                                                                               

     A sexta deve ser de poucas alterações no mercado brasileiro de milho. Os preços seguem sustentados mesmo com o avanço da colheita da safrinha e o ritmo dos negócios deve seguir moderado, com produtores segurando a oferta e forçando preços ainda melhores. Dólar sobe e Chicago cai neste momento.

     O mercado manteve preços pouco alterados na quinta-feira. O suporte às cotações continua mesmo com a colheita da safrinha, e com boatos de importação do milho. O ritmo dos negócios seguiu lento nas principais praças.

     No Porto de Santos, o preço ficou na faixa de R$ 80,00 a R$ 100,00 a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 79,00/100,00.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 103,00/105,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 102,00/104,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 104,00/106,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 101,00/103,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 97,00/100,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 93,00/R$ 95,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 85,00/90,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em dezembro têm baixa de 1,07% a US$ 5,50 1/2 por bushel.

* O cereal, assim como a soja, é pressionado pela menor demanda de importação por parte da China. Na semana, porém, os ganhos ainda estão em torno de 1%.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra alta de 0,55% a R$ 5,107. O Dollar Index registra ganho de 0,09% a 91,95 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram em baixa. Xangai, -0,42%. Tóquio, -1,8%.

* As principais bolsas na Europa registram índices mais baixos. Paris, -0,22%. Londres, -0,84%.

* O petróleo opera em baixa. Setembro do WTI em NY: US$ 73,50 o barril (-0,17%).

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.