New Holland faz lançamentos e aposta em boas vendas

153

     Porto Alegre, 20 de maio de 2021 – A New Holland Agriculture, marca da CNH Industrial, lançou hoje sua nova linha de tratores de alta potência. As máquinas contam com uma arquitetura eletrônica embarcada de fábrica totalmente remodelada e voltada para a agricultura digital. Segundo a empresa, os tratores T8 e T9 PLM Intelligence trazem um novo conceito que busca melhorar a eficiência, entregando maior produtividade com menor custo operacional.

      “Com essa tecnologia 100% conectada, o produtor rural vai economizar em sementes, defensivos químicos, combustível e, ao mesmo tempo, aprimorar a gestão da frota de máquinas, otimizando assim o tempo das operações agrícolas e da mão de obra, tendo sempre em mãos informações importantes que vão ajudá-lo a fazer a tomada de decisão em tempo real e gerir da melhor forma possível a propriedade”, afirma Rafael Miotto, vice-presidente da New Holland Agriculture para a América do Sul.

     Mesmo se esquivando de revelar volumes, por questões de compliance, Miotto revelou que as expectativas de vendas são muito boas e o potencial de operações se espalha por todos os estados. “Queremos aumentar a penetração deste tamanho médio de trator. A demanda é altíssima e as vendas estão indo bem, já dentro das expectativas. Temos vendas pulverizadas do Rio Grande do Sul a Tocantins, mas o maior volume de vendas se concentra no Mato Grosso, em Goiás e nos estados do Matopiba”, disse o dirigente.

     Conforme Miotto, a produção deste ano está praticamente toda vendida e há bom avanço nas ordens para o ano que vem. No total de equipamentos colocados à disposição pela empresa, o vice-presidente afirmou que a New Holland não está longe de fechar a carteira para 2021.

     Os novos modelos entram no mercado com preço inicial a partir de R$ 1 milhão. Em termos de financiamentos, o diretor de negócios da CNH, Eduardo Luís, acredita que há opções, apesar do término dos recursos do Moderfrota, através de linhas vigentes do BNDES, “variante que ficou em aberto”.

     Rafael Miotto esclareceu que a ferramenta de barter é mais usada pelo produtor em operações envolvendo insumos. “Em relação a maquinário agrícola, a preferência é de financiamento de longo prazo. A empresa descontinuou as operações de barter. O interesse no setor de máquinas agrícolas é menor por parte do produtor, que prefere operacionalizar dessa forma com insumos”, completou.

      Desempenho

      O vice-presidente da New Holland destacou a manutenção dos níveis de produção durante o período da pandemia. “Não reduzimos empregos e nem capacidade durante a pandemia. Interrompemos o fluxo de crescimento, que já será retomado”, destacou.

      O diretor de negócios da CNH, Eduardo Luís, avaliou que a restrição na oferta do setor neste momento é questão de falta de matéria prima. “Temos capacidade produtiva, mas dificuldade com os insumos. Dificuldade de importação, de reservar contêiner, falta de aço. O preço do aço cresceu 35%. O maior problema da indústria é a dificuldade de obtenção de insumos”, disse.

     Em relação ao Plano Safra, que deverá ser lançando em julho pelo governo federal, Luís não aposta em grande aumento nos recursos, devido aos compromissos do executivo com responsabilidade fiscal e também em decorrência dos reflexos da pandemia sobre a economia. “Não esperamos muito incremento nos volumes. Apenas ajustes inflacionários nos recursos”.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA