Preços do milho seguem sustentados com dólar firme e foco na soja

53

    Porto Alegre, 05 de março de 2021 – O mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez. A volatilidade no dólar agitou o mercado, embora o ritmo de negócios tenha sido lento. A firmeza no dólar e o foco na colheita e comercialização da soja mantiveram as cotações sustentadas nas principais praças de comercialização.

     Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a logística segue voltada toda para a soja, com fretes subindo e dificuldades para o fluxo do milho. Assim, há suporte para as cotações do

cereal. “Apenas no Rio Grande do Sul, onde a colheita é mais tardia, a situação ainda é mais cômoda”, comenta.  Com o milho deixado “de lado”, a oferta reduz e os preços se mantêm.

    No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (25 de fevereiro) e a quinta-feira (04 de março), o preço do milho em Campinas/CIF subiu na venda de R$ 90,00 para R$ 92,00 a saca, elevação de 2,2%. Na região Mogiana paulista, o cereal avançou na venda de R$ 87,00 para R$ 88,00 a saca, aumento de 1,1%.

     Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço seguiu estável em R$ 83,00 a saca. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 74,00 para R$ 75,00 a saca, elevação de 1,3% no balanço semanal. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, a cotação se manteve estável em R$ 85,00 a saca.

     Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho subiram de R$ 76,00 para R$ 80,00 a saca, alta de 5,3%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado avançou no comparativo de R$ 77,00 para R$ 80,00 a saca, subindo 3,9%.

Exportações

     As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 178,586 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,921 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 822,892 mil toneladas, com média de 45,716 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 217,00.

     Em relação a fevereiro de 2020, houve alta de 155,55% no valor médio diário da exportação, ganho de 141,85% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 5,66% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de

Comércio Exterior.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 / Grupo CMA