Queda de NY pressiona mercado doméstico de algodão, mas de forma modesta

166

     Porto Alegre, 3 de dezembro de 2021 – O mercado brasileiro de algodão encerra a primeira semana de dezembro com preços um pouco mais fracos. A pluma foi pressionada pelo tombo na Bolsa de Nova York nesta semana, mas as perdas internas foram muito mais modestas. A nova variante do coronavírus na África do Sul, que pode voltar a fechar mercados pelo mundo, derrubou as cotações internacionais do algodão.  

     No CIF São Paulo, a fibra encerrou a quinta-feira (2) cotada a R$ 6,27 por libra-peso. No dia 25 de novembro, a libra-peso valia R$ 6,20. Ainda correspondendo a um aumento de 4% em relação ao mesmo período do mês passado e uma retração de 57,46% na comparação com o ano anterior.

     O Comitê Internacional do Algodão (Icac) destacou em seu relatório de dezembro que os preços devem seguir elevados durante a safra 2021/22. Obviamente, isso é bom, mas os preços são uma faca de dois gumes. Uma renda mais alta para os agricultores é uma coisa boa e pode levá-los a aumentar a área plantada global de algodão, mas estes custos geralmente são repassados ao longo da cadeia de abastecimento, o que torna o algodão menos competitivo em relação a outras fibras.

     Espera-se que os preços sejam voláteis durante o restante da temporada 2021/22, mas é improvável que subam muito mais do que o ponto atual. Na temporada 2020/11, os preços subiram drasticamente.

     Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA