Queda em Chicago pode elevar intenção de venda de milho no Brasil

137

     Porto Alegre, 19 de maio de 2021 – O mercado brasileiro de milho deve seguir atento ao cenário de preços no mercado internacional nesta quarta-feira. O movimento de queda na Bolsa de Mercadorias de Chicago pode contribuir para uma maior fixação de oferta por parte dos produtores, favorecendo um movimento de baixa nas cotações, ainda que a situação da safrinha esteja cada vez pior no Brasil devido à estiagem.

     Ontem (18), o mercado brasileiro de milho registrou preços fracos novamente, de estáveis a mais baixos. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a dinâmica de mercado vem mudando sensivelmente ao longo da semana. “Há aumento da fixação de oferta em vários estados, resultando em abrupta queda dos preços. Os consumidores passam a se ausentar do mercado neste momento, o que tende a favorecer nova queda das indicações”, comenta.

     Para Iglesias, o clima ainda é uma preocupação recorrente, com chuvas irregulares em diversos estados do Centro-Sul. “A tendência é que a indicação de quebra da safrinha seja ainda maior ao final do mês”, avalia.

     No Porto de Santos, o preço ficou na faixa de R$ 85,00 a R$ 95,00 a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 83,50/94,00.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 98,00/100,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 100,00/103,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 103,00/104,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 102,00/104,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 100,00/101,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 96,00/R$ 98,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 87,00/88,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos com entrega em julho de 2021 operam com perda de 7,00 centavos em relação ao fechamento anterior, ou 1,06%, cotada a US$ 6,51 1/4 por bushel

* O mercado embolsa parte dos lucros acumulados ontem. Os estoques globais apertados do cereal, seguem no foco de atenção dos investidores.

* Ontem (18), os contratos de milho com entrega em julho/21 fecharam a US$ 6,58 1/4, alta de 5,75 centavos de dólar, ou 0,88%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra alta de 0,62% a R$ 5,2860.

* O Dollar Index registra ganho de 0,23% a 89,95 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram em queda. Xangai, -0,51%. Tóquio, -1,28%.

* As principais bolsas na Europa registram índices em queda. Paris, -1,48%. Londres, -1,49%.

* O petróleo opera em baixa. Junho do WTI em NY: US$ 64,14 o barril (-2,06%).

AGENDA

– A posição dos estoques de petróleo dos EUA até sexta-feira da semana passada será publicada às 11h30min pelo Departamento de Energia (DoE).

– EUA: A ata da última reunião de política monetária será publicada às 15h pelo Federal Reserve.

—–Quinta-feira (20/05)

– Japão: A balança comercial de abril será publicada na noite anterior pelo Ministério de Finanças.

– China: O Banco do Povo da China (Pboc, o banco central do país) anuncia na noite anterior a decisão de política monetária.

– Alemanha: O índice de preços ao produtor de abril será publicado às 3h pelo Destatis.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

– Relatório mensal agrícola da Argentina – Ministério da Agricultura, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (21/05)

– Japão: O índice de preços ao consumidor de abril será publicado na noite anterior pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA