Retração do produtor deve manter mercado de soja travado

128

                                                                                  

     Com dólar e Chicago operando perto da estabilidade, o início da quinta não aponta para grandes mudanças no mercado brasileiro de soja. Os preços tendem a permanecer firmes, mas a movimentação é cautelosa, com os produtores retraídos e esperando por referenciais ainda melhores.

     Os preços da soja subiram na quarta-feira nas principais praças do país, em mais um dia de poucos negócios. A boa alta de Chicago sustentou as cotações, mas a valorização foi limitada pela queda do dólar. O produtor espera por altas ainda mais consistentes e se retrai.

     Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 164,00 para R$ 165,00. Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 163,00 para R$ 164,00. No porto de Rio Grande, o preço aumentou de R$ 170,00 para R$ 171,00.

     Em Cascavel, no Paraná, o preço passou de R$ 163,50 para R$ 164,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca subiu de R$ 169,50 para R$ 170,00.

     Em Rondonópolis (MT), a saca avançou R$ 159,00 para R$ 161,00. Em Dourados (MS), a cotação seguiu em R$ 155,00. Em Rio Verde (GO), a saca subiu de R$ 160,00 para R$ 162,00.

CHICAGO

* Os contratos com vencimento em novembro registram valorização de 0,03% neste momento, cotado a US$ 13,83 1/4 por bushel.

* Em sessão volátil, o mercado oscila entre os territórios positivo e negativo.

* Os investidores aguardam as exportações semanais e os esmagamentos norte-americanos, que saem hoje. Para as vendas semanais, a aposta dos agentes é de número entre 200 mil e 750 mil toneladas.

* No início da tarde, a Associação Norte-americana de Processadores de Óleos Vegetais (NOPA) vai divulgar o esmagamento de soja nos Estados Unidos em junho. O mercado projeta número de 159,5 milhões de bushels. Em maio, foram esmagados 163,52 milhões de bushels. Representa uma queda de 4,7% frente a junho do ano passado.

PRÊMIOS

* O prêmio em Paranaguá para julho ficou em +75 e +85 sobre Chicago. Para agosto, o prêmio é de +75 a +82. Para março do ano que vem entre +3 e +10 pontos.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra alta de 0,13% a R$ 5,092. O Dollar Index registra ganho de 0,13% a 92,53 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram em alta. Xangai, +1,02%. Tóquio, -1,15%, sendo a exceção.

* As principais bolsas na Europa registram índices mais baixos. Paris, -0,89%. Londres, -0,69%.

* O petróleo opera em baixa. Agosto do WTI em NY: US$ 71,98 o barril (-1,55%).

AGENDA

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30min.

– EUA: os dados sobre a produção industrial em junho serão publicados às 10h15 pelo Federal Reserve.

– Esmagamento de soja dos EUA em julho – NOPA, 13hs.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Estoques de café dos EUA em maio – Cecafé, 16hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (16/07)

– Japão: A decisão de política monetária será publicada na madrugada pelo Banco do Japão.

– Eurozona: A balança comercial de maio será publicada às 6h pela Eurostat.

– Eurozona: A leitura final do índice de preços ao consumidor de junho será publicada às 6h pela Eurostat.

– A FGV divulga às 8h os dados do Indice Geral de Preços – 10 (IGP-10) referentes a julho.

– Atualização da evolução das lavouras argentinas – Ministério da Agricultura, na parte da manhã.

– Levantamento de intenção de plantio de soja, milho, arroz, algodão e feijão do Brasil – SAFRAS & Mercado, 12hs.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.