Preços da soja sobem no Brasil, seguindo dólar e Chicago

60

     Porto Alegre, 5 de março de 2021 O mercado brasileiro de soja teve uma semana de negócios moderados e preços firmes. Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações. Mas o ritmo da comercialização seguiu lento, com os produtores atentos à colheita, que permanece atrasada em decorrência do excesso de chuvas.

     Em Passo Fundo (RS), a cotação subiu de R$ 166,00 para R$ 171,00 a saca de 60 quilos entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, o preço subiu de R$ 157,50 para R$ 158,00 em Cascavel (PR). No Porto de Paranaguá, a saca avançou de R$ 167,50 para R$ 171,00.

     Em Rondonópolis (MT), o preço passou de R$ 157,50 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a saca avançou de R$ 153,00 para R$ 154,00. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 156,00 para R$ 160,00.

     Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em maio tiveram uma valorização de 0,44%, encerrando a quinta a US$ 14,10 ½ por bushel. O cenário fundamental seguiu dando sustentação às cotações. O atraso na colheita no Brasil e a estiagem na Argentina garantiram a valorização, além da alta do petróleo e dos sinais de aperto nos estoques e continuidade da demanda nos Estados Unidos.

     O dólar comercial subiu 1,03% no período, fechando a quinta a R$ 5,66. Nesta sexta, o dólar já opera acima de R$ 5,70, em meio as preocupações com o futuro da economia brasileira. No exterior, o aumento da aversão ao risco completou o cenário negativo.

     Exportações

     O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 15,497 milhões de toneladas de soja em grão para março, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 13,314 milhões de toneladas segundo a estimativa.

     Em fevereiro, foram 5,131 milhões de toneladas. Para abril, o line-up indica volume de 820,312 mil toneladas.

     De janeiro a fevereiro, o line-up apontou o embarque de 5,184 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, foram embarcadas 8,155 milhões de toneladas. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indicou o embarque no período em 1,298 milhão de toneladas.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA

Preços da soja sobem no Brasil, seguindo dólar e Chicago

     Porto Alegre, 5 de março de 2021 O mercado brasileiro de soja teve uma semana de negócios moderados e preços firmes. Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações. Mas o ritmo da comercialização seguiu lento, com os produtores atentos à colheita, que permanece atrasada em decorrência do excesso de chuvas.

     Em Passo Fundo (RS), a cotação subiu de R$ 166,00 para R$ 171,00 a saca de 60 quilos entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, o preço subiu de R$ 157,50 para R$ 158,00 em Cascavel (PR). No Porto de Paranaguá, a saca avançou de R$ 167,50 para R$ 171,00.

     Em Rondonópolis (MT), o preço passou de R$ 157,50 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a saca avançou de R$ 153,00 para R$ 154,00. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 156,00 para R$ 160,00.

     Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em maio tiveram uma valorização de 0,44%, encerrando a quinta a US$ 14,10 ½ por bushel. O cenário fundamental seguiu dando sustentação às cotações. O atraso na colheita no Brasil e a estiagem na Argentina garantiram a valorização, além da alta do petróleo e dos sinais de aperto nos estoques e continuidade da demanda nos Estados Unidos.

     O dólar comercial subiu 1,03% no período, fechando a quinta a R$ 5,66. Nesta sexta, o dólar já opera acima de R$ 5,70, em meio as preocupações com o futuro da economia brasileira. No exterior, o aumento da aversão ao risco completou o cenário negativo.

     Exportações

     O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 15,497 milhões de toneladas de soja em grão para março, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 13,314 milhões de toneladas segundo a estimativa.

     Em fevereiro, foram 5,131 milhões de toneladas. Para abril, o line-up indica volume de 820,312 mil toneladas.

     De janeiro a fevereiro, o line-up apontou o embarque de 5,184 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, foram embarcadas 8,155 milhões de toneladas. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indicou o embarque no período em 1,298 milhão de toneladas.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA